<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d13730762\x26blogName\x3dD\x27Homem\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://dehomem.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://dehomem.blogspot.com/\x26vt\x3d-9092945672773493816', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

09 julho 2005

Jogos de Homem - Sueca



Devido a toda uma amálgama de razões, a anómala miscenização de cabeças de caralho estudantis com labrego putedo beirão académico (resume-se assim grande parte do povo estudante) sempre me enojou. Ora uma dessas razões é tão somente o facto de passarem grande parte do tempo a jogar à sueca.
Ora bem, á lá ver se me explico. Eu tou brutalmente a cagar de alto para a maneira como eles ocupam os tempos livres, se bem que ficavam bem melhor em casa a tirar crostas do cu (citando a mãe do poder). Agora, esgotar precioso tempo de foda para isto, é que não. É que convenhamos: denegrir a imagem do que é de homem não é, de todo, D'Homem!

A Sueca é um dos ex-libris do homem. Homem que é homem joga à sueca, ponto final. Agora bom pito decotado a mexer em cartas em vez de mexer em pilinhas é que não contribui de todo para a felicidade colectiva (e longe estou de ser comuna).

Mas divago. Voltemos ao assunto. Homem à séria joga à sueca no tasco, cujas mesas estarão já devidamente reforçadas com vigas de madeira (construídas seguindo tradições seculares com a resistência de uma estrutura de favos de titânio) para evitar que o homem, no ímpeto e no êxtase do trunfanço, não a mande com as couves. É igualmente recomendável um ambiente obscurecido, e cujo foco de luz será uma lâmpada incandescente (sem candeeiro, claro), colocada aproximadamente um metro e meio acima da mesa, alinhada com a normal ao centro geométrico aproximado do tampo da mesa. Digo aproximado, pois a quantidade de deformações já sofridas pelo supracitado item de mobiliário é já tão grande que, convenhamos, largos anos de cálculos seriam necessários para calcular o seu real centro. Convém dizer que, a não ser quando deseja aparentar um pouco de seriedade (por exemplo, um serralheiro a fazer serviço em casa alheia) homem que é homem mede o centro com olhómetro e não fita métrica nem nenhum desses paneleiros acessórios.

Sueca joga-se a 4 (para os paneleiros que sorriram, é "a 4" e não "de 4"), mas tal como já foi referido, sendo um jogo de homem implica toda uma multidão de "treinadores de bancada" a mandar as suas postas e bitaites com vista a espicaçar violentas e memoráveis querelas.

Ao contrário do que possam achar que estão a prever, NÃO SE BEBE enquanto se joga à sueca. Apenas se fuma, e em quantidades industriais (à Homem, portantos). A concentração no jogo é tal que quaisquer comes e bebes são banidos da mesa.

Novamente ao contrário do que julgam que aventam, não vou explicar como se joga. Cuidais que intento denegrir a imegem da peleja dos ases? Afinal, quanto menos rotos a saber melhor a reputação do jogo se mantém.

Voltando ao assunto da mesa reforçada devido à iminência de atómicos trunfanços. Homem que é homem tem tanto a zona do cotovelo como a do pulso calcinada. Meus amigos, aquilo parece carapaça de tartaruga. Diz uma lenda da idade média que se 20 homens à séria se reunissem a trunfar como deus manda ao mesmo tempo, gerariam energia suficiente para abastecer Las Vegas durante 10 anos. Ou não. Homem que é home, quando quer trunfar, eleva o trunfo na mão direita, e projecta o braço flectido com o maior momento que lhe possa imprimir; após embater com o cotovelo na mesa, tendo já com isso causando escarcel que chegue para assustar os cães (dos antípodas), complementa ainda tudo isto com a descida do antebraço (com o cotovelo apoiado no epicentro do sismo que então fez badalar sinos num raio de quilómetros) até fazer o mesmo, mas agora com o pulso, largando a carta no momento do embate. Homem que para além de ser D'Homem, é-o com toda a amplitude da colhoada e toda a envergadura da sua pança, faz todo este movimento com tal rapidez que os bordos da carta queimam devido à fricção com o ar.

Vale a terminar referindo que não é de homem jogar à sueca com qualquer baralho. Quanto mais antigo, melhor. E escusado é referir que a presença de gordura na superfície das cartas não é dispicienda. Ah, e claro: baralhos espanhóis são bons só para aqueles que discutem lingerie com os amigos.

Aprendei, alarilados seres.

Ressabianços: 3

Blogger José Nuno Ferreira
(10 julho, 2005 01:02)

e venham elas....


...as cartas, portanto.

 
Anonymous Profeta
(10 julho, 2005 20:55)

marabilha! Esse jogo milenar que tantas horas de masculinidade me proporcionaram! Aproveito para acrescentar outros locais de culto à sueca:

- O clássico jardim do marquês (onde agora existe uma estaçao de metro), grandes tardes se respirava a macheza da jogatina;
- Na foz junto ao castelo da foz é também local de culto a esta prática olímpica;
- também junto à foz no farol se calcificam ossos a trunfar ases e biscas secas!
Mas local primórdio da sueca foi, é e sempre será a tasca!

Passai lá um dia e aprendei este capitulo da vida de um Homem!

Abraços

 
Anonymous Anónimo
(30 janeiro, 2009 20:52)

Eu até jogo no emprego:
http://sites.google.com/site/suecapt/descarregar

 

Enviar um comentário

<< dehomem.blogspot.com