<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d13730762\x26blogName\x3dD\x27Homem\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://dehomem.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://dehomem.blogspot.com/\x26vt\x3d-9092945672773493816', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

08 julho 2005

Jogos de Homem - Matraquilhos


Homem que é homem joga matraquilhos. Mas o verdadeiro homem nunca diz "vou jogar matraquilhos", mas sim as másculas expressões "vou jogar uma matrecada" ou então "vou jogar ali aos bonecos".
Os matraquilhos são de macho, mas nem todos. Nada daqueles de plástico com protecções para não sujar, e coisas assim paneleiras. Como já disse, quanto mais sujo e mais em bruto, mais d'homem. Terá de ser como estes:


Cá está. Não tem apenas os clássicos e másculos marcadores de pontuação, mas também dois cinzeiros em cada ponta. Para pousar o cigarro, já manchado de óleo e com bocados de comida - em tempos alegremente alojados na bigodaça - colados ao filtro.
Os matraquilhos têm de ter enormes quantidades de óleo, não apenas para poder fazer as jogadas magistrais que o domínio do macho facilmente possibilita, mas também para oportunamente sujar ainda mais a roupa do adversário, ou seja, jogar fora das quatro linhas.
Ocorrem-me outras recomendações como os topos da mesa estarem com marcas - de apagar o cigarro quando o cinzeiro já não chega - e a bola estar cheia de mossas. O tabuleiro deverá já estar todo irregular, e as pegas dos matrecos - de madeira - com algumas rachas e cortes, tal é a força do machão.
Nunca - mas mesmo nunca - o verdadeiro homem jogará numa mesa como esta, antes usar maquilhagem.

Jogar numa mesa tipicamente ocupada por senhores de barba rija não significa jogar à homem nem ser um deles. Isso não está ao alcance de qualquer um. Para além da já referida força potenciada por enormes quantidades de testosterona e igualmente enormes colhões, o macho tem de dizer palavrões - muitos. Coisas como «Ah, puta que pariu... Tinha de ir ao poste o caralho da bola, foda-se!» ou «Piçudo do caralho, nem fizeste pontaria meu cabrão de merda!» respiram macheza, e o homem tem de fazer - pelo menos uma vez - a jogada mais de homem: puxar a fila de matrecos com toda a força, contra uma bola que se encontra junto à tabela. Deste modo, não só projecta a bola brutalmente, também provoca enorme escarcel e consequente barulho metálico das fechaduras e aloquetes da mesa.

Outra das coisas muito macho é jogar 2 contra 2, de preferência os mesmos pares da Sueca e da Malha, para continuar a escalada pelo domínio da tribo, passando a metáfora. E quanto mais jogadores mais barulho. E quanto mais barulho mais d'homem. Os pares durante o jogo também picam os adversários, aproveitando para gozar e desafiar os outros machos «Foda-se ó Mané, jogas mesmo mal caralho. Ainda consegues jogar pior do que o cabrão do Tozé que arrochou ali a ver a bola». Isto torna-se uma reacção em cadeia, juntado-se mais e mais machões para a mesa. Mas os machos que esperam pela sua vez não dão parte fraca - mandam o bitaite sobre o jogo: «Eheh, olhem só pró Tó Xico. Aquele filho da puta não acerta uma, caralho». Todo este processo torna-se propício a zaragatas.

Assim que a jogatana acaba, os vencedores - que são os «vencedores do costume» - ou então «Aqueles que, entre os maiorais dos matrecos, têm colhão suficiente para reinar sobre os demais» vangloriam-se para fazer inveja a todo o tasco. «Ó Micas/Tina/Maria, são duas de torresmos e dois finos pra mim e pró João d'Ádega, que estamos cansados de arrumar com estes fracos».
(Nota: Alcunhas é muito d'homem. Falaremos disso no blog um dia destes.)

Matrecos não é um jogo, é uma entidade. Uma coisa grandiosa, como qualquer coisa de macho. E não referi que homem que é homem dá nomes de jogadores aos matrecos. Mas tenho de fazer menção a um facto. Facto esse que torna os matraquilhos o jogo menos macho entre os jogos de colhão. Facto esse apontado por certo teórico do D'Homem outro dia aquando de um café: «Os matrecos são como as drogas leves. Era só para um grupo restrito, mas agora espalhou-se a toda a gente. Até aos putos.»

Aprendam, rabetas de subbuteo (mais macho - subútio).

Ressabianços: 3

Anonymous Profeta
(08 julho, 2005 22:06)

matrecos! sejam eles louvados! e digo-vos jogar numa mesa em que se assemelhava em muito ao campo do Foz (irregular, é veridico mais de 90% do jogos era relizados no lado direito do campo :P) isso requer uma macheza tal e um control sobre os metrecos dignos de um Homem! desafio qualquer macho para um desafio de matrecos em local e hora a definir!

Abraços com pancadas secas nas costas!

 
Anonymous barros
(10 julho, 2005 00:05)

até digo mais. O jogo preferido do homem a seguir ao futebol sao os matrecos..

 
Anonymous Anónimo
(12 janeiro, 2012 14:51)

You wrote a very interesting article. And I agree with you. hair loss Read a useful article about tramadol tramadol

 

Enviar um comentário

<< dehomem.blogspot.com